domingo, 14 de março de 2010

Não mais que palavras...

PALAVRAS, NÃO MAIS.

DAQUELAS QUE SE JOGAM AO VENTO,
PELA JANELA,
PELAS FRESTAS DA PORTA.
DAQUELAS QUE DIZEM ALGO SEM DIZER,
COMO QUERENDO DIZER OUTRA COISA.

POR QUE NUNCA DIRETAS?
POR QUE SEMPRE UM JOGO?
DE FALAR O QUE NÃO SE DISSE,
DE DIZER O QUE NÃO SE FALA?

ESTE DIZ QUE ME DISSE QUE ATORDOA
É CAPAZ DE ENLOUQUECER OS FRACOS
ENFRAQUECER OS FORTES.

SEMPRE O MESMO PROCESSO.
SEMPRE AO ACASO,
AO CHÃO, AO VENTO, PLANTADAS NA MEMÓRIA,
CRAVADAS NA HISTÓRIA.

BATEM E NUNCA VOLTAM:
JAMAIS VOLTAM
SEM CAUSAR CHORO OU RISO
SEM MUDAR ALGUM DESTINO.

MAIS TRANSFORMAM QUEM AS CAPTAM
DO QUEM AS EMITEM.

QUEBRAM ESQUINAS
DERRUBAM MUROS,
TRANSPÕEM GRADES,
GOLPEIAM CORAÇÕES.

SEMPRE ASSIM:
BATEM E NÃO VOLTAM.
NUNCA VOLTAM.

Eloisa Rocia

0 comentários:

Postar um comentário

Olá, amiga, amigo...
Espero que tenha gostado do blog e que volte muitas vezes neste espaço!
Abraço!
Eloisa